Todo mundo conhece a fábula da formiga e da cigarra, escrita originalmente por La Fontaine no século XVII, certo?!

Alguns anos atrás, Itmara Assumpção compôs essa pérola inspirada na fábula anterior.

Por pedido meu, meu amigo Will escreveu uma nova versão da fábula, com um toque itamariano e olha só o que saiu.

A Formiga e a Cigarra

De grão em grão, seguindo a fila
uma multidão e ninguém se esbarra
É incrível a organização das formigas
Bem diferente da lerda amiga Cigarra

Que tem infinito amor pelo canto
gastando nele toda sua energia
E quando se fala em trabalho
parece despertar uma certa alergia

A Formiga sabe que o frio do inverno,
para a amiga Cigarra, não irá sorrir
E no tempo congelante e solitário
É certo que, ajuda, ela virá pedir

Mas esta vida é cheia de surpresas
e surge um convite de outro país:
"Excelentíssima Senhorita Cigarra
aceita vir cantar em Paris?"

Quase sem se conter de emoção,
a Cigarra foi arrumar sua bagagem
E, então, procura sua amiga Formiga
para contar-lhe sobre sua viagem:

"Formiga, minha amiga Formiga
estou indo cantar na França!
Me diga o que quer de lá
que lhe trago de lembrança"

A formiga a olhou, respirou fundo...
E só pediu uma coisa à amiga lerda:
"Quando na França estiver, Cigarra,
mande o tal La Fontaine à merda!"

About this post

Date: 24 Feb 2015

Author: Leonardo Barichello

Tags:

português música poesia


Related posts:
Leminskanções
Poema(s) de sete faces