Quando nasci, um anjo torto
desses que vivem na sombra
disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.

Esses são os primeiros versos do Poema de Sete Faces, de Carlos Drummond de Andrade, publicado em 1930. Infelizmente, não conheço registro do poema na voz do autor, mas a leitura abaixo vale a pena:

Independentemente da beleza (incontestável) dos versos, acho interessante como eles se tornaram presentes no imaginário popular brasileiro. Na música, a ideia de um destino (torto) traçado por um anjo (ou algo equivalente) já no momento do nascimento é bastante comum. Particularmente, gosto de três referências.

1) A clássica Até o fim, de Chico Buarque.

2) Agora algo bem menos conhecido, mas mais forte na minha opinião: Let's play that, de Jards Macalé

3) As duas anteriores são até que óbvias, mas a referência vai muito mais longe do que isso e chega até os sotaques nordestinos com Siba na música Pisando em praça de guerra:

About this post

Date: 08 Apr 2015

Author: Leonardo Barichello

Tags:

português poesia música


Related posts:
Coltrane's sound
Elza + SP (denovo)
Leminskanções